remédio para depressão
Remédio para depressão: conheça os naturais e os farmacêuticos
19/05/2016
transtorno bipolar
Transtorno bipolar: entenda tudo sobre este distúrbio
23/05/2016

Você conhece os principais tipos de depressão?

tipos de depressão

Você sabia que a depressão pode ter diversas formas? Conheça todos os tipos de depressão conhecidos para iniciar o tratamento adequado.

Quer saber um pouco mais sobre cada um deles? Então confira o conteúdo que preparamos para você!

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já emitiu à população o seu alerta: a depressão é a doença mais incapacitante do mundo!

Não à toa, cerca de 7% de toda a população do mundo é diagnosticada com esse transtorno que vai muito além da melancolia passageira. Só quem sofre os seus efeitos sabe o quanto isso é verdade, não é mesmo?

Como cada caso é um caso diferente, e deve ser tratado individualmente, só mesmo um acompanhamento médico preciso para avaliar a sua situação.

No entanto, episódios específicos e sintomas diferenciados permitem que se possa criar um amplo estudo sobre os tipos de depressão existentes.

Os sintomas comuns da depressão

É a incapacitação, a indisposição, a insônia, a fadiga e a desesperadora apatia. Algo que pessoas com depressão se relacionam com facilidade.

Nem é preciso um diagnóstico, inclusive, para sentir essas emoções negativas. Todos nós passamos por momentos em que essas sensações são inevitáveis.

No entanto, o caso se agrava quando existe o quadro de depressão clínica. Mas, como você já deve saber, existem diversas maneiras de sair da depressão. Você já atestou a eficácia de alguma delas?

Tudo isso, até o momento, é falado sobre a depressão como um todo. Logo abaixo, começaremos a falar dos tipos de depressão, um a um.

A partir do detalhamento deles, esperamos que você encontre forças para sair desse estado de desânimo que só aparenta ser permanente.

Saber que você não está só, nesta batalha, é crucial para tomar o primeiro e mais importante passo: buscar ajuda.

Vamos aos tipos de depressão que mais acometem as pessoas!

Episódio depressivo

Habitual a quem convive com a depressão, o episódio depressivo é o tipo mais comum desse perigoso distúrbio.

Eles podem ser agressivos ou amenos, mas sua recorrência o torna ainda mais incapacitante, independentemente do nível do episódio.

Para você ter uma ideia: mais de 50% das pessoas com depressão acumulam mais de um episódio ao longo da vida, sendo que cada crise pode durar, no mínimo, 15 dias.

Até faltam palavras para descrever a angústia que é ter esses sintomas indo e vindo, justo quando acreditamos que tudo está melhor.

É por isso que a depressão deve ser tratada com a seriedade que ela impacta as nossas vidas. Um episódio pode aparentar não ser nada de mais — uma vez —, mas a frequência deles pode mudar completamente a sua vida.

Não deixe que isso aconteça e baixe a guarda: procure ajuda de amigos e familiares e o diagnóstico médico o quanto antes!

Tipos de Depressão #1

Depressão maior

De episódio em episódio ignorados ou tratados incorretamente, cria-se um estado grave de depressão.

Esse caso é conhecido como perturbação depressiva maior.

Vale lembrar que a maior incidência de depressão ocorre no início da adolescência e no auge da maturidade (entre 30 e 40 anos). Por isso, ignorar os episódios nessas etapas da vida pode ser muito mais prejudicial do que se imagina.

No caso da depressão maior, o problema são as contínuas oscilações de humor, como se os episódios depressivos fossem o movimento das ondas de um mar: contínuo vai e vem emocional, mas sem nenhum dos atrativos de se banhar no litoral.

Ela é, também, o tipo mais comum de depressão, ao lado dos episódios esporádicos. É a conhecida depressão clássica, que colocou um mundo inteiro em alerta.

Tipos de Depressão #2

Distimia

Sintomas menos agressivos, mas ainda presentes, e por um período de tempo maior. Essa é a principal característica da depressão distímica.

Os sintomas desse tipo de depressão podem durar até dois anos!

Aqui, conhecendo os primeiros três tipos de depressão, já dá para ter uma base de que a doença se adapta a todas as nossas condições, encurralando cada vez mais a nossa saúde física e mental.

Embora a rotina seja sensivelmente afetada por esse tipo de depressão, ela é menos incapacitante. Mas, novamente: que isso não sirva de conforto para você ignorar seus sintomas.

Afinal de contas, a distimia é conhecida, também, como a depressão crônica. Seu tratamento é, igualmente a todos os outros, necessário e passível de cura! Não há razões lógicas para ignorá-la.

Tipos de Depressão #3

Depressão bipolar

Ocorre em duas frentes distintas:

Depressão bipolar Tipo I

Diferentemente da perturbação unipolar (característica dos três tipos que falamos anteriormente), a bipolar é bastante desigual.

Sua essência é baseada na oscilação entre bom humor, fases depressivas e crises agressivas.

Essa última etapa possui, como sintomas principais, uma euforia incontida, algo semelhante à hiperatividade.

Você deve imaginar que tantas mudanças de humor, em tão pouco tempo, só têm a nos prejudicar, certo? Então, encare o turbilhão indo a um médico de sua confiança e sempre, sempre mesmo!, conte com a ajuda e apoio de entes queridos para atravessar essa turbulenta jornada.

Depressão bipolar Tipo II

Menos imprevisível que o tipo I, esse tipo de depressão bipolar é caracterizado mais por uma onda passageira de melancolia profunda.

Muito parecida com o episódio depressivo, ela se diferencia a partir de crises que podem vir acompanhadas de um estado de euforia passageiro, conhecido como hipomania.

A dificuldade em diagnosticar a depressão bipolar tipo II está, justamente, nesses sintomas esporádicos, que podem ser facilmente confundidos com a tristeza que todos nós estamos sujeitos a experimentar em um dia qualquer, sem razão aparente.

Tipos de Depressão #4

Depressão psicótica

Também rotulado como episódio depressivo psicótico, esse tipo de depressão é altamente perigoso para a pessoa.

Entre os sintomas mais comuns estão as alucinações (visuais e auditivas) e delírios, que nada mais são do que a crença em algo ilógico e irreal.

Eles podem evoluir a partir de depressões de natureza unipolar ou bipolar. E, não raro, além de medicamentos e acompanhamento terapêutico, é preciso um período de internação para que a pessoa tenha os devidos e contínuos cuidados que essa doença exige.

Tipos de Depressão #5

Depressão reativa

É o estado depressivo consequente a um grande trauma na vida — pode ser a perda de um familiar, o diagnóstico de uma doença crônica ou acidentes.

tão tratável quanto os outros tipos de depressão, a depressão reativa demanda um bom acompanhamento psicológico (não que os outros tipos não necessitem), pois a fragilidade emocional entrou em ebulição a partir de um evento sistêmico.,/p>

Resolver a causa, portanto, é a porta de entrada para o tratamento desse tipo de depressão.

Tipos de Depressão #6

Depressão involutiva

Mais presente quando atingimos a senioridade, esse tipo de depressão surge quando nos deparamos com uma etapa da vida, e não nos sentimos preparados.

Falta de dinheiro, perspectivas após a aposentadoria e a solidão pela perda do companheiro podem desencadear os sintomas desse tipo de depressão.

O vazio, no entanto, deve ser preenchido com uma rotina nova. Medicamentos e o acompanhamento psicológico são fundamentais para que o que passou fique no passado, e o presente volte a ser vivido.

Tipos de Depressão #7

Depressão pós-parto

Já falamos sobre a depressão pós-parto por aqui, um distúrbio gravíssimo e que coloca em xeque a felicidade de uma família inteira!

Embora digam que ela acontece somente após a mãe dar à luz, na verdade, sintomas podem se manifestar durante todo o período de gestação.

Apoio familiar é crucial para ajudar a minimizar os efeitos da depressão pós-parto no convívio do casal e dos filhos.

Mas da mesma maneira que todos os outros tipos de depressão têm tratamento, com a depressão pós-parto não é diferente.

Não resista ao tratamento

Tendo em vista que existem diversos tipos de depressão, compreendemos mais a fundo as dimensões dessa perigosa doença.

Milhões de outras pessoas estão passando, neste exato momento, por sintomas muito familiares aos seus. E, acredite: milhões delas estão em busca de tratamento.

É importante buscar ajuda, pois a depressão, independentemente do nível de gravidade e tipo diagnosticado, é praticamente impossível de ser vencida sem auxílio, apoio e medicamentos (sempre prescritos pelo médico, ok?).

Caso tenha se identificado com algum tipo de depressão acima, converse com quem está próximo de você, e procure por ajuda especializada profissional.

Lembre-se: a depressão tem tratamento.

Esteja em paz!

Alex Carnier
Alex Carnier

Idealizou o saudeinterior.org após experimentar na pele o sofrimento psico-emocional causado por uma depressão, e descobrir que cerca de 20 milhões de brasileiros passam pelo mesmo problema. Acredita que juntos podemos mudar o mundo, transformando um coração de cada vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *