tipos de depressão
Você conhece os principais tipos de depressão?
20/05/2016
Depressão na adolescência
Saiba tudo sobre a depressão na adolescência
25/05/2016

Transtorno bipolar: entenda tudo sobre este distúrbio

transtorno bipolar

Sabia que o transtorno bipolar está presente em 4% da população mundial?

E que dificilmente as pessoas compreendem que as oscilações bruscas de humor são causadas por esse distúrbio, e não por reações a situações do dia a dia?

Mais abaixo, veremos os mitos e verdades referentes ao transtorno bipolar, para que a informação seja o mais exata possível tanto para pessoas quem sofre desse distúrbio quanto para quem convive com quem sofre.

Se você já passou por isso, ou conhece que está nessa situação, vai aproveitar bastante este artigo, pois vamos analisar tudo sobre o transtorno bipolar, de maneira que você tenha todas as informações que te levem à etapa crucial desse distúrbio: o tratamento!

O que é transtorno bipolar?

A transtorno bipolar (também conhecido como distúrbio bipolar e depressão bipolar) está entre os tipos de depressão mais comuns, hoje em dia.

Ela é difícil de diagnosticar, pois suas oscilações são tão abruptas que sequer damos conta do que está acontecendo.

Mas, embora não saibamos identificar a essência dessas mudanças de humor, reconhecemos os sinais.

Afinal de contas, o transtorno bipolar nos coloca em uma corda bamba, e sem proteção, para cruzar o enorme abismo do dia a dia. Pois, ainda que cada dia tenha as suas surpresas, elas são ainda mais agressivas para quem sofre desse distúrbio.

Assim, uma incomum hiperatividade matinal pode dar lugar a uma irritabilidade instável de uma hora para outra, uma melancolia profunda pode abater alguém que acabou de receber ótimas notícias e uma notícia ruim pode ser o estopim para uma apatia devastadora.

O transtorno bipolar de Ben Stiller

O autor hollywoodiano Ben Stiller já revelou que sofre de transtorno bipolar.

Transtorno bipolar de Ben Stiller

Eu não fui um cara fácil. Acho que isso é chamado de transtorno maníaco-depressivo bipolar. Tenho uma história cheia de casos envolvendo isso em minha família. – Ben Stiller numa tradução livre

Como saber se tenho transtorno bipolar?

Da mesma forma que aprendemos gradativamente o que é a depressão, analisando os próprios sinais no nosso corpo e mente, a depressão bipolar deve ser avaliada da mesma maneira, em um primeiro momento.

As oscilações que citamos são frequentes? Você tem pouco ou nenhum controle sobre elas? Analise a si mesmo e, também, peça àqueles que você mais confia uma rápida, sincera e imparcial análise também.

Além disso, você se identifica com alguns dos sintomas abaixo?

  • Distração acentuada;
  • Dificuldades em pegar no sono ou dormir adequadamente;
  • Temperamento irritadiço;
  • Compulsões diversas;
  • Aumento de energia (hiperatividade);
  • Fadiga súbita
  • Perda de apetite (e de peso, consequentemente);
  • Baixa autoestima

A confirmação assertiva e definitiva, no entanto, só pode ser realizada na seguinte etapa, que é a busca por auxílio médico.

A avaliação psicológica, no entanto, se aprofunda muito nos sintomas e em suas respectivas causas, uma vez que o transtorno bipolar pode ser subcategorizado em três diferentes tipos de distúrbios, como veremos a seguir.

Os diferentes tipos de transtorno bipolar

O acompanhamento médico é fundamental para precisar o tipo de bipolaridade que acomete o seu dia a dia, uma vez que ela pode ser classificada de 3 tipos diferentes:

Transtorno bipolar tipo I

Acontece uma vez, ao menos, uma crise tão profunda que beira a psicose, seguida de episódios de profunda depressão.

Até pouco tempo atrás, inclusive, esse tipo de transtorno bipolar era mais conhecido como depressão maníaca. E, também, não raras vezes o transtorno foi confundido com sintomas de esquizofrenia, o que dificultou o tratamento em algumas ocasiões.

Hoje em dia, ainda que as causas sejam pouco compreendidas, os sintomas e a avaliação psicológica são muito mais assertivos — dependendo, claro, da total colaboração da pessoa diante do médico.

Transtorno bipolar tipo II

Lembra da hiperatividade que mencionamos no começo do texto? Esse tipo de transtorno bipolar é um dos mais característicos de episódios de euforia incontida, seguidos de apatia e depressão acentuada.

O cuidado em tratar esse tipo de bipolaridade está, justamente, nas crises depressivas consecutivas, o que acaba mascarando a real causa da melancolia — que não é a depressão em si — e atrasando, por assim dizer, a recuperação plena.

Ciclotimia

Também uma montanha-russa de emoções contrastantes, esse tipo de transtorno bipolar se caracteriza pela hipomania, que são manias acentuadas e que passam a participar da rotina.

Uma depressão leve também faz parte desse tipo de distúrbio e, da mesma maneira que ocorre no transtorno bipolar tipo II, diagnósticos precoces podem apontar para a depressão, em vez da bipolaridade causadora disso tudo.

Mitos e verdades sobre o transtorno bipolar

Como falamos agora há pouco sobre os diagnósticos imprecisos, por conta das múltiplas facetas desse distúrbio, chegamos ao ponto de abertura do nosso texto: a desinformação sobre o transtorno bipolar.

Para dar luz às verdades sobre esse transtorno persistente, vamos dividir o texto entre mitos e verdades sobre o tema:

Mitos sobre o transtorno bipolar

  • O transtorno bipolar é incurável e, mesmo em tratamento, as pessoas não conseguem levar a vida normalmente;
  • O transtorno bipolar é apenas uma variação de humor;
  • Apenas o medicamente surte efeito no tratamento contra o transtorno bipolar;
  • A única variação emocional é de profunda tristeza para a euforia descontrolada.

As verdades sobre o transtorno bipolar, ponto a ponto!

  • É tratável, sim, o transtorno bipolar, e muitas pessoas levam suas vidas muito bem, obrigado, mesmo com a doença ainda ativa. O tratamento não impede você de retomar as suas atividades. Pelo contrário: recuperar a normalidade dentro da rotina é algo que deve ser incentivado;
  • O transtorno bipolar é muito mais que variações emocionais, e nem sempre a pessoa experimenta todos os sintomas de maneira tão frequente. Cada caso é um caso e, como tal, deve ser avaliado individualmente;
  • Lembre-se: além dos sintomas que listamos, cada caso é uma manifestação única de bipolaridade, por isso, avalie se também ocorrem episódios de ansiedade, enxaqueca e até mesmo diabetes, entre outras consequências;
  • Por mexer muito com diferentes aspectos mentais, físicos e psicológicos da pessoa, os medicamentos ajudam, mas não são os únicos heróis no combate à bipolaridade. O aconselhamento terapêutico, a força de vontade e o apoio de entes queridos, acredite, são determinantes também!

Tratamentos para transtorno bipolar: em busca de dias melhores

Um pouco do tratamento já foi evidenciado, no tópico anterior, mas é sempre bom listar e reforçar tudo o que se pode fazer para devolver a rotina saudável ao seu dia a dia!

Medicamentos

Sempre prescritos pelo médico responsável, o medicamento é essencial para um enfoque assertivo à raiz do problema.

Por isso, não se automedique e, principalmente, não interrompa o tratamento sem o consentimento do seu médico. Só ele, após longas conversas com você, pode ter uma visão mais ampla de toda a situação.

Terapia

Mais que conhecer as causas, o acompanhamento psicológico é crucial para garantir que as oscilações não se manifestem mais.

Por isso, a ajuda de um terapeuta é tão importante quanto os remédios! Não deixe de comparecer às seções e seja o mais preciso possível, sem bloqueios, com o seu psicólogo.

Como já dissemos: sua sinceridade é a porta de entrada para o tratamento mais seguro e eficiente contra o transtorno bipolar. Agarre essa oportunidade com toda a sua força de vontade — o que nos leva à última etapa do tratamento.

Você como protagonista do tratamento da sua bipolaridade

Concluo este artigo dizendo a você que não tenha pena de si mesmo.

A depressão ama auto-piedade – se você a alimentar, o transtorno vai crescer dentro de você.

Você deve primeiramente se ajudar para que outras pessoas possam vir em seu auxílio.

Encare o problema de frente e procure um médico. Se ele diagnosticar seu sofrimento como transtorno bipolar, tenha uma atitude prática para iniciar imediatamente o tratamento.

A bipolaridade é agressiva e está muito presente, mas você irá compreender melhor como lidar com a situação ao procurar ajuda.

Depois conte com seus familiares, amigos e ajuda profissional para criar uma rotina de ações que juntas irão lhe trazer saúde interior.

Faça a sua parte e cerque-se do que há de mais positivo e solícito para ajudar você a se recuperar.

Se cuide, e fique em paz!

Alex Carnier
Alex Carnier

Idealizou o saudeinterior.org após experimentar na pele o sofrimento psico-emocional causado por uma depressão, e descobrir que cerca de 20 milhões de brasileiros passam pelo mesmo problema. Acredita que juntos podemos mudar o mundo, transformando um coração de cada vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *